14 de agosto de 2012

Pois é...



Era certo que eu me apaixonaria por um poeta, 
que vive de sonho e de palavra.
Não me vejo ao lado de um executivo por exemplo, 
muita formalidade, de um médico, muita ausência...
Eu preciso de palavras cristalizadas ao pé do ouvido, 
gestos melados para lubrificar as dobradiças
das janelas da minha alma.

_____Renata Fagundes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por borboletar aqui!